O Manuelino em Freixo de Espada à Cinta

Se lá formos entre fevereiro e março é possível que sejam as amendoeiras em flor a levar-nos a Freixo de Espada à Cinta. Mas se for outra qualquer altura do ano, iremos pela vila, pelo seu casario e monumentos, pela seda, pela gastronomia e pelas gentes.

O nome da vila e do concelho evoca outros tempos mas não se conhece a sua origem. Apenas ficaram as lendas. Mas em Freixo, visitemos a Torre do Galo e a Igreja Matriz e olhemos para o, também manuelino, pelourinho. Aproveitemos para vermos o Cavalo de Mazouco, a mais icónica das gravuras rupestres do Mazouco, conheçamos os miradouros que há nos arredores e descansemos na praia fluvial da Congida.

Previous ArticleNext Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.