Nas terras que a região demarcada cunhou

Fontes, Lobrigo, Cumieira, Louredo e Medrões são exemplos de que o homem procurou estas terras desde tempos remotos. Os castros de Santa Marta de Penaguião deixam antever uma ocupação antiga, mas foi só com a criação da Região Demarcada do Douro, em 1756, que o concelho ganhou a riqueza que as quintas e o vinho lhe trouxeram.

Santa Marta de Penaguião, por si só, é digna da visita de qualquer forasteiro curioso em conhecer as pessoas e a sua cultura, bem como o património edificado.

Por todo o território há solares e casas senhoriais dos séculos XVII e XVIII, como a Quinta do Bertelo ou o Solar do Pinheiro e, aqui e ali, encontram-se excelentes exemplos de arquitetura religiosa.

Há que visitar a igreja paroquial de São João de Lobrigos, de torre um pouco tímida em relação ao volume da estrutura por, dizem, ter morrido o mestre de obras. E também a igreja paroquial de Santa Eulália da Cumieira, com a sua talha joanina, e cujo interior terá a mão de Nicolau Nasoni.

Não se deixe o concelho sem visitar os moinhos, comunitários ou domésticos, que ainda se vão vendo na paisagem, e passe-se na tradicional aldeia de Paradela do Monte.

E quando vir um marco granítico monolítico, muito simples, com a palavra “FEITORIA” gravada numa das faces, saiba que está perante um dos marcos originais de marcação da zona de produção do vinho generoso do Douro.

Previous ArticleNext Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.