As Portas de Ródão

As Portas de Ródão são um dos mais conhecidos monumentos naturais portugueses. Aqui em Vila Velha de Ródão, o Tejo é estrangulado por entre dois penhascos de impactante efeito cénico. Olhe-se para eles com atenção a partir do miradouro, ou percorra-se de comboio a linha férrea que aqui segue o rio.

Se o fizermos do miradouro que olha para as portas sempre abertas do Tejo, notemos os grifos que aqui fazem os seus ninhos. Esta é uma das riquezas deste local, que alberga a maior colónia de grifos do país. Mas não só. Aqui também são avistados o milhafre real, o abutre-preto, a águia perdigueira, o papa-moscas e a cegonha preta.

Siga-se pelo trilho que nos leva lá ao alto e que todos os anos é utilizado na procissão até à Capela de Nossa Senhora do Castelo e conheça-se o castelo de Vila Velha de Ródão que também é conhecido por Torre do Wamba, o último rei visigótico, apesar de hoje sabermos que é uma atalaia mais tardia.

Pode-se ainda fruir das Portas de Ródão em passeios de barco que nos levam por esse Tejo fora. Sob o leito, repousam longe da vista os vestígios de arte rupestre que puderam ser estudados antes da barragem do Fratel elevar o nível das águas. São essas gravuras que hoje podemos conhecer no Centro de Interpretação da Arte Rupestre do Vale do Tejo, no centro da urbe.

Previous ArticleNext Article

This post has 1 Comment

1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.